quinta-feira, 30 de junho de 2016

Como construir casas perto do mar

Construir uma casa perto do mar merece cuidados específicos. Além de um projeto adequado, é importante observar alguns pontos para que se tenha tranquilidade e segurança na hora de construir, ou de remodelar.
– Terreno: é importante sempre ter a opinião de um profissional habilitado. Os terrenos próximos ao mar costumam ser mais arenosos e, por isso, requerem mais cuidado na construção para que não haja problemas futuros de estrutura. A dica é fazer uma sondagem do terreno e fazer um projeto estrutural que considere o tipo de terreno, além de investir em materiais resistentes e adequados ao tipo de construção;
– Materiais: procure produtos de qualidade, pois o sol e a maresia costumam danificar os materiais mais rapidamente do que no interior. Janelas de ferro enferrujam e as de madeira apodrecem, secam e perdem a cor facilmente,. Por isso, tenha em consideração o clima na altura de escolher os produtos para a sua obra. Para o telhado, por exemplo, opte por produtos resistentes. Uma opção são as telhas Onduline Design Duo que são ideais para ambientes mais rústicos, como as casas de praias, pois possuem pigmentação em ambos os lados;
– Riscos de inundações: é preciso lembrar que o avanço do mar é constante. Conheça as zonas de inundação e as marés altas da praia, pois sem esse cuidado corre-se o risco da maré alcançar o jardim (a água salgada tende a matar as plantas) ou até mesmo a residência. Uma solução simples é optar por um recuo, deixando um grande espaço entre a casa, o muro (se houver) e a praia. Isso permite que, em dias de maré alta, o mar avance sem alcançar a construção, danificando sua estrutura;
Uma casa à beira da praia pode ser o seu sonho, mas é um projeto complicado de executar e não vai querer que se torne o seu pesadelo.Apesar dos inúmeros benefícios de se ter uma casa no litoral, há um problema que incomoda arquitetos e moradores: os danos causados pela maresia, que trazem inconveniências para a arquitetura e o design da casa, além de alguns custos a mais.
Veja que materiais de construção são ideais para aproveitar o melhor da praia sem comprometer o seu projeto.
Ao ser carregada pelos ventos, a maresia leva consigo o cloreto e o sulfato, que interagem com os materiais da casa em um processo de corrosão. O que se pode fazer contra esse fenômeno é reduzir seus impactos, pois não há milagre que os evite totalmente.
Isso começa desde a construção do imóvel, na escolha de materiais mais resistentes para serem usados, até no dia-a-dia de quem mora e frequenta o local, onde deve haver atenção e monitoramento constante.
Será preciso reparar as pinturas das paredes, limpar o bolor de pisos e azulejos, observar o estado de portas e esquadrias e ainda usar silicone e vaselina para preservar os materiais.
O problema tende a ser maior em ambientes húmidos e onde há condensação, como cozinhas, casas de banho e áreas de serviço. Ambientes com pouca ventilação também se tornam mais sujeitos à corrosão. Eletrodomésticos são muito suscetíveis às consequências da maresia, não há um truque que resolva além do cuidado e da boa conservação.
Mas pode preservar os materiais da construção. Escolher os mais apropriados e técnicas de aplicação podem tornar os produtos mais resistentes. Faça a escolha certa com a relação de materiais resistentes à maresia.

Madeira

Muitas vezes substitui o ferro por se adaptar melhor ao ambiente. As escolhas mais recomendadas Deve ser conservada com uma manutenção periódica com lixamento e aplicação de produtos impregnantes, como verniz ou stain. Aglomerados e madeiras de baixa densidade não são recomendados, assim com o uso de produtos que apenas formam uma camada protetora sem penetrar na madeira.

PVC

Não há necessidade de tratamento especial na sua instalação pela alta resistência à maresia. A  manutenção resume-se à retirada de pó e à limpeza com água e sabão com pano limpo.

Alumínio

Enquanto o ferro é totalmente inadequado ao ambiente litoral, o alumínio é recomendado. A sua única desvantagem é a oxidação branca, mas é de fácil recuperação – lixando a peça e aplicando produtos que devolvem seu aspecto original. Para a proteção há a possibilidade de pintar a peça com esmaltes sintéticos.

Ferragem/Metais

As ferragens precisam passar por limpeza e lubrificação de peças móveis (dobradiças, encaixes de maçanetas e parafusos). É recomendado o uso do aço inox ou galvanizado que para maior proteção podem receber pinturas especiais contra a corrosão. Outra opção ainda é o aço do tipo patinável.

Concreto

O maior controle das armaduras, o uso de sílica ativa e da relação água-cimento garantem concretos mais duráveis. O concreto deve ser adequado à exposição e isso deve ser pensado desde a criação do projeto.

Revestimentos

Os revestimentos recomendados são os que possuem cerâmica, pedras ou pastilhas. Os de argamassa tendem a sofrer com a maresia.

Tintas

Indica-se o uso de tintas emborrachadas e elásticas de base elastométrica já que são específicas para ambiente externos. Sua durabilidade varia de cinco a seis anos, enquanto tintas comuns durariam três em média. Já para o ambiente interno a dica é o uso tintas acrílicas semibrilho ou do tecnocimento.

Telhado

Se a escolha for telhas cerâmicas, use impermeabilizante para diminuir o efeito da cristalização dos sais da areia. Se telhas de concreto, utilize as de acabamento gloss para um telhado limpo por mais tempo. A recomendação para casas de coberturas planas são as telhas de fibrocimento sem amianto, lajes impermeabilizadas.

Outros


Objetos de decoração, luz, ralos, canos, grelhas e afins que não sejam compostos por ferro são recomendados.

quinta-feira, 23 de junho de 2016

Arquitetura Moderna


A arquitetura moderna é o reflexo das grandes inovações técnicas que começam a surgir já no fim do século XIX. Com a revolução industrial passa-se a utilizar o ferro de maneira nunca antes vista nas construções. Materiais como o aço e o concreto armado dão aos arquitetos possibilidades inéditas de criação, o que faz com que este estilo se torne completamente diferente de tudo que se viu até então. São engenheiros os pioneiros na utilização das novas técnicas como nos arranha-céus de Chicago ou na famosa Torre Eiffel de Paris.
A fundação da escola Bauhaus de Weimar, por Walter Gropius (1883-1969), é de suma importância para o desenvolvimento da arquitetura moderna. Dentro do conceito da Bauhaus o artista não era diferente do bom artesão e é a partir desse pensamento que surge um artista até antes desconhecido, o desenhista industrial. A escola foi fechada por ordens de Hitler, não antes de resgatar para a arquitetura sua posição de arte maior, seus artistas, pelo menos grande parte deles, transferem-se para os Estados Unidos, onde darão prosseguimento à sua arte.O que melhor caracteriza a arquitetura moderna é a utilização de formas simples, geométricas, e desprovida de ornamentação, valoriza-se o emprego dos materiais em sua essência como o concreto aparente, em detrimento do reboco e da pintura. As diferenciações apresentadas nessa arquitetura variam quase de arquiteto para arquiteto, podendo-se notar semelhanças regionais, como é o caso de Frank Lloyd Wright (1867-1959), Walter Gropius, Le Corbusier (1887-1965), Oscar Niemeyer (1907-), Ludwig Mies van der Rohe (1886-1969), Alvar Aalto (1898-1976), que apresentam características claramente distintas e próprias.A grosso modo, pode-se dividir os arquitetos em dois grupos: os organicistas, encabeçados por Frank L. Wright, que dizia que o edifício, assim como um organismo vivo, precisa crescer a partir de seu meio, deve partir da função para a forma, ao se olhar para uma construção desse tipo é muito fácil saber a que se destina. A obra mais famosa de Wright é a Casa da Cascata, em Bear Run. A casa está implantada sobre a cascata, que pode ser desfrutada de seu interior. É impressionante a integração da casa com a natureza; já os funcionais da escola de Le Corbusier subordinam a função à forma, porém, nos dois tipos, a forma está em harmonia com a função.

quarta-feira, 22 de junho de 2016

NAZARÉ - PRAIA COM BANDEIRA AZUL

Coordenadas Lat. 39° 35' 56.48" N ( 39.599023 )
Long. 9° 4' 12.11" W ( -9.070031 )
Morada: Avenida Vieira Guimarães, 2450-901 Nazaré
Breve descrição:
Dotada de uma impressionante beleza natural, a Nazaré é uma encantadora e animada vila balnear e turística do litoral centro português. Conhecida como praia de banhos desde meados de 1800, a Nazaré desenvolveu-se ao longo da última centúria, sendo desde então considerada como a mais típica praia portuguesa e um dos mais conhecidos cartazes turísticos do país. Visitada anualmente por milhares de turistas nacionais e estrangeiros, a Nazaré é hoje uma vila moderna e sempre animada. Percorrer as suas ruas estreitas e perpendiculares ao mar, é descobrir um modo de vida peculiar e autêntico, onde as surpresas espreitam a cada esquina. Beleza, memórias, charme e tradições fazem da Nazaré a mais inesquecível das praias portuguesas.
Outras informações:
Tipologia da praia: Costeira
A praia está próxima de uma área protegida? Não
Existem riachos, rios ou outras linhas de água na área da praia? Não
Média estimada de utentes na época balnear: 70000
Temperatura média durante o ano: 15 ºC
Temperatura média no Verão: 19 ºC
Temperatura média da água de banho:
Extensão da linha de praia: 1600 metros
A praia está devidamente sinalizada? Sim

terça-feira, 21 de junho de 2016

Casas modulares ou pré fabricadas: o que são, vantagens e desvantagens

Uma casa modular é uma casa pré-fabricada, construída em diferentes secções separadas, também conhecidas como módulos. As casas modulares são construídas numa fabrica, sob rigorosas condições controladas, sendo posteriormente enviadas para o local adequado e escolhido pelo proprietário, onde finalmente é efetuada a sua montagem. As casas modulares, como sucede com as casas mais convencionais, são montadas com o fator segurança em mente, podendo até ser mais resistentes a tempestades e terramotos que as casas tradicionais.
As casas modulares representam um nicho de mercado na construção que tem crescido de ano para ano, havendo cada vez mais empresas especializadas na construção modular. Hoje em dia quando alguém decide avançar para a construção da sua casa e procura opções no mercado pode-se deparar com a dúvida se avança para a casa de construção tradicional ou para uma casa modular. Não é à toa que em Portugal se conhecem cada vez mais casas modulares. Importa por isso abordar o tema e expor aqui as vantagens e as desvantagens das casas modulares, assim como discutir a questão do preço das referidas casas.

VANTAGENS:
Ambiente de fabricação controlado: Uma vez que as casas modulares são construídas em fábricas e não em um espaço exterior, não se coloca o problema ou preocupação dos materiais de construção ficarem molhados ou danificados. E porque as questões meteorológicas não são um fator de preocupação, problemas que podem ocorrer devido a mau tempo e, consequentemente, atrasos decorrentes deste são assim evitados.
Maior variedade de planos e designs: A maioria dos construtores de casas modulares oferece aos futuros proprietários uma enorme variedade de planos e designs por onde escolher. Em grande parte dos casos, o construtor oferece ainda a possibilidade do futuro proprietário poder personalizar o projeto de construção de acordo com as suas próprias preferências. Alguns elementos que podem ser alterados: janelas, pisos, cores, entre outros.
Tempo de construção: As casas modulares podem demorar algum tempo a serem construídas na fábrica, mas a sua montagem é depois relativamente fácil e simples, poupando-se desta forma bastante tempo em comparação com a construção de casas convencionais.
Preço: O único facto relevante para quem vai adjudicar uma casa pré-fabricada é saber que o valor por metro quadrado será menor que seria num sistema de construção tradicional. O preço total da casa é fixado antes do início dos trabalhos, ou seja, não está sujeito a variações de mercado.
Eficiência energética: Como a casa modular é construída em ambiente fechado, dá mais hipóteses aos trabalhadores de fazer um trabalho de calafetagem e isolamento térmico de excelência, aumentando assim a capacidade de isolamento da casa.
Prazo de execução da obra. Afirma-se que uma casa de 100.000 euros pode ficar pronta em apenas 3 meses.
O método construtivo estará menos sujeito a problemas e defeitos devido a ser mais normalizado.
Esquecendo as burocracias tão características deste país, tem a possibilidade de juntar módulos e com isso aumentar o seu espaço. Este é um especto muito relevante para quando uma família cresce ou para quando a saúde financeira for melhor e permitir mais algum investimento na casa.


DESVANTAGENS:
Investimento inicial:
Os construtores deste tipo de casas frequentemente exigem o pagamento prévio total das mesmas antes de iniciarem o projeto, sendo que por vezes é mais complicado também de obter um empréstimo para este tipo de habitações. Esta é uma das grandes desvantagens para quem não possui já um “pé de meia” confortável.
Distância entre a fábrica e o terreno de montagem:
Outra das maiores desvantagens da aquisição e construção de uma casa modular será certamente a do transporte devido a vários factores, sendo o principal o logístico que dependerá muito da distância entre a fábrica e a sua casa ou terreno, onde será efectuada a construção da casa modular. É fundamental que analise as fábricas na sua zona e se possível chegue a um acordo com a que ofereça o melhor negócio, de forma a minimizar o risco e os gastos inerentes do transporte.
O gosto da pessoa/família que quer construir a casa terá menos preponderância. Obviamente que não fica reduzido a zero, mas fica algo limitado a certos limites. Desenho e soluções construtivas vêm num cardápio...
Menor flexibilidade criativa a vários níveis.
Uma questão indispensável e que não se pode ignorar é a do preço das casas modulares. Serão as casas modulares mais caras ou mais baratas que as casas construídas pelo método tradicional? Esta é uma questão que tem tanto de pertinente como de complicada, e não é por acaso que as opiniões se dividem e há quem coloque o preço das casas modulares nas suas vantagens e há quem o coloque nas suas desvantagens.
Quando se comparam os preços, convém ter em consideração o preço de todos os outros trabalhos inerentes à montagem das casas modulares, como por exemplo terraplanagens, fundações, interiores, etc. Pode parecer um aspecto desnecessário de ser destacado, mas o certo é que muita gente quando compara os orçamentos, pega no orçamento da empresa que produz a casa modular e compara-o ao preço que prevê que venha a custar a casa construída pelo método tradicional (que incluirá todos os aspectos da construção). Quando compararem preços, comparem bem!

segunda-feira, 20 de junho de 2016

Compra de casas atinge máximo de sete meses




São mais 75% do que há um ano e quase três vezes mais do que em 2012. A incerteza sobre a economia, a crise da banca e os juros historicamente baixos - com empréstimos mais baratos e, por outro lado, um quase nulo retorno dos depósitos - estão a tornar a casa cada vez mais num investimento.
"O mercado imobiliário está a tornar-se uma alternativa ao setor financeiro", refere Luís Lima, presidente da APEMIP, a associação que representa os mediadores imobiliários. "Depois da turbulência do mercado financeiro, há muitas pessoas a levantar depósitos para comprar casas. Umas para arrendamento e outras como simples investimento".
Luís Menezes Leitão, da Associação Lisbonense de Proprietários, concorda. "As pessoas estão muito desconfiadas sobre os produtos financeiros e a casa é um investimento". Além disso, o fraco funcionamento do mercado de arrendamento em Portugal, onde as opções são escassas e a preços elevados, também leva muita gente a optar pela compra. "Como os bancos voltaram a emprestar, a procura aumentou. A taxa de arrendamento em Portugal é de 14%, na Europa é 30%", explica.
Em abril, o número de imóveis para venda voltou a subir pelo quarto mês consecutivo, e a procura registou um máximo de setembro de 2015. As vendas fechadas também aceleraram, especialmente em Lisboa, Porto e Algarve, de acordo com o Portuguese Housing Market Survey, da Confidencial Imobiliário e o Royal Institution of Chartered Surveyors (RICS) .
Se as condições se mantiverem, especialmente do lado dos bancos, a APEMIP estima que o mercado imobiliário cresça, este ano, entre 35% e 40%, depois de um aumento de 27% em 2015. Os portugueses, assume Luís Lima em declarações ao JN/Dinheiro Vivo, serão responsáveis por 80% deste crescimento e, mais do que uma primeira casa, fazem agora "compras para arrendamento e como simples investimento", podendo até olhar para a reabilitação urbana para posterior venda.
Não são só os portugueses. "Para além de termos mais clientes de Portugal a apostar neste mercado como alternativa ao investimento em Bolsa e a produtos financeiros, também temos uma recuperação dos investimentos estrangeiros", acentua o presidente da APEMIP. De um lado, os chineses estão novamente a olhar para o mercado imobiliário português, "uma procura que pode ter um impacto forte no final do ano" com um maior escoamento dos procedimentos de atribuição dos vistos gold; do outro "a segurança do mercado imobiliário" português está a atrair investidores de outros países, como França e o próprio Brasil.
É o caso de Marie e Yvon Meillare, dois franceses da região da Bretanha que compraram um apartamento, no início de agosto, no Seixal. "Em França, ouve-se cada vez mais que Portugal é uma terra de adoção para os franceses ao nível fiscal. Está na moda para os reformados franceses e, apesar de termos sido os primeiros do nosso círculo de amigos a comprar, já há outros a pensar no mesmo", revelaram em entrevista à Lusa. Os franceses já são, inclusivamente, os maiores investidores estrangeiros em imobiliário nacional.

Fonte: Jornal de Negócios

quarta-feira, 15 de junho de 2016

Materiais de Construção Inovadores e amigos do ambiente.


Ecovative 
A empresa nova-iorquina de biomateriais Ecovative criou um material de isolamento térmico e acústico, para aplicação na construção civil, fabricado através da combinação do micélio vegetativo de cogumelos com outros subprodutos da indústria alimentar, como caules de milho.
A gama de produtos à base deste material inclui elementos de isolamento térmico e revestimento de paredes exteriores, coberturas e pavimentos, bem como painéis para correção acústica de compartimentos.
A ideia para a criação do material nasceu em 2007, quando Eben Bayer e Gavin McIntyre, fundadores da Ecovative, eram ainda estudantes do Instituto Politécnico de Rensselaer.
Com o apoio do professor da disciplina de Materiais, os dois colegas começaram a estudar a possibilidade do uso de micélio fúngico na sintetização de painéis rígidos, que pudessem ser usados em engenharia e construção.
Uma das variantes do material, o Mushroom Insulation é um material literalmente “vivo”, devido ao seu principal constituinte, o micélio de cogumelos, poder crescer ao longo do tempo. O material é confinado com cofragens e aumenta de volume ao longo de alguns dias, formando um elemento rígido e estanque, com elevada resistência mecânica, bom comportamento ao fogo e sobretudo excelentes capacidades isolantes.

Bellwether
Isolamento com lã de ovelha "Feito com lã de ovelha, que utiliza muito pouca energia na sua produção, este sistema é seguro para as pessoas, animais e ambiente. A lã é conhecida pela sua capacidade de absorver poluentes do ar, tornando os ambientes internos mais saudáveis. Em caso de incêndio, por ser de difícil combustão, o isolamento com lã retarda a combustão dos materiais próximos. Se um edifício for demolido, a lã pode facilmente ser reutilizada ou reciclada."

ROMA:
Tintas minerais Domus "Derivadas de materiais naturais, laváveis, sem toxinas, hipoalergénicas, permeáveis, impedem o surgimento de bactérias que compõe o mofo e absorvem CO2. Estas tintas são ideais para aplicação em áreas comerciais e residenciais: escritórios, escolas, instalações hospitalares e casas."

GR GreenBuilding Products:
Cobertura e fechamentos GR Green   "Feito de restos de pedra calcária e plástico reciclado - garrafas de leite e sacos de compras - GR Green Cedar e GR Green Slate parecem naturais, custam menos que os materiais concorrentes e podem ser completamente reciclados após seu uso, estimado em mais de 50 anos."
bioMASON:
Biobrick "Emprega bactérias para produzir um cimento natural. Os materiais necessários são globalmente abundantes e podem ser extraídos de áreas de resíduos. O processo de cimentação ocorre à temperatura ambiente. Um tijolo rígido requer menos de 5 dias para ser feito e é comparável, em custo e desempenho, à alvenaria tradicional."

Ecococon:
Painéis de palha "Painéis estruturais pré-fabricados de palha usados na construção de casas de custo acessível e com bom isolamento. O sistema modular construtivo Ecococon é composto por 99,4% de materiais locais e renováveis (palha e madeira). Os painéis foram utilizados com êxito em diversas casas."
HaploBuilt:
HaploBlocks "Componentes de fechamento modulares e pré-fabricados, montados e conectados no local. Todos os materiais são biodegradáveis ou recicláveis. A fabricação e a montagem são simples, requerem poucas ferramentas, pouca energia e não requerem o uso de água. Os Haploblocks podem sem desmontados e reutilizados novamente em uma nova construção."

ECOR:

Painéis Universais de Construção "Utiliza um material cru encontrado no mundo inteiro: fibra de celulose. A fabricação do ECOR inclui um ciclo fechado de água com 99,5% de reutilização."

segunda-feira, 13 de junho de 2016

Como decorar um imóvel Arrendado

Há sempre uma preocupação em deixar a casa onde habita com a sua cara, todos querem conforto. Mas quando se trata de um arrendamento, é importante tomar alguns cuidados, principalmente porque é necessário entregá-lo intacto antes de se mudar.

Pode pintar as paredes

Em primeiro lugar, lembre-se que de qualquer maneira você precisará dar uma mão de tinta branca nas paredes antes de devolver o imóvel. Isso é feito para não o entregar ao dono com um especto de “velho”.
Por isso, não tenha medo de pintar, mesmo que seja apenas uma parede. 

Papel de parede para inovar

Caso não queira pintar, os papéis de parede podem ser uma opção viável. São desenhos e formatos infinitos, e cabe-lhe a si escolher aquele que irá combinar melhor com os demais elementos do imóvel e não tenha medo de arriscar em estampas e texturas.

Os móveis certos mudam tudo

Outra dica também é investir nos móveis. Eles são essenciais para dar o toque de conforto e é um bem que pode sempre levar consigo quando se mudar. E não tenha medo de arriscar em estampas e texturas. A regra básica é combinar almofadas com os tapetes e cortinas de maneira uniforme.

Da idade média para o século 21

Para separar ambientes ou apenas utilizar mais um artifício decorativo, os biombos funcionam perfeitamente. De diversos tamanhos, materiais e cores, eles possuem também a vantagem de serem movidos facilmente de um lugar para o outro, o que permite mudar a decoração sempre quiser. Atente-se apenas em optar por peças leves e translúcidas, de forma a não tornarem o espaço pesado ou ainda mais apertado.


quinta-feira, 9 de junho de 2016

Porquê a Nazaré?



A Nazaré é uma pequena vila situada à beira mar, cheia de tradições e gentes habituadas a servir os seus visitantes.
Portanto se gosta de mar e de praia, a Nazaré tem para oferecer um extenso areal de areia macia e águas limpas, premiadas com a bandeira azul, onde se pratica a natação, o surf, bodyboard, windsurf, canoagem, pesca desportiva, mergulho, entre outras.
A Nazaré tem vindo também a crescer nos chamados desportos radicais, o surf de ondas gigantes, o parapente e o skydive, tudo isto derivado ás condições geológicas naturais e excecionais propicias a essas práticas, como o grande promontório, a falésia, e o chamado canhão do norte, que é uma falha geológica que percorre a nossa costa e faz com que em condições especiais de vento, maré e lua tenhamos na Praia do Norte ondas enormíssimas que trazem até nós os melhores praticantes de ondas gigantes do mundo inteiro.
Mas a Nazaré não é só praia, é também campo e natureza verde, estamos rodeados pelo pinhal de Leiria, a principal floresta de Portugal, onde se fazem caminhadas, pick nicks, onde se pode observar a fauna e a flora locais.
A Nazaré também tem vindo a modernizar-se no que diz respeito a equipamentos de lazer, neste momento temos excelentes condições para a prática do desporto, além do estádio municipal, com pista de tartan para atletismo, temos 2 pavilhões gimno desportivos, vários cortes de ténis, piscinas municipais, pistas de manutenção e mobiliário desportivo urbano espalhado pela vila. São organizadas várias provas anuais de atletismo e caminhada, como por exemplo a Meia Maratona Internacional da Nazaré e a Neon Run.
Em termos de entretenimento e cultura, a Nazaré também tem vindo a evoluir ao nível das iniciativas e dos equipamentos, a Biblioteca Municipal, exibe grande variedade de livros em diversos idiomas, com acesso grátis à internet, sala de exposições e auditório tem sido fundamental na divulgação dos nossos artistas, o cinema, os museus, as igrejas e santuários, o folclore único e conhecido internacionalmente, o festival de jazz do Valado dos Frades, os diversos concertos, eventos e exposições organizados pela Câmara Municipal da Nazaré, são algumas das manifestações culturais da nossa terra.
A gastronomia com influência mediterrânia e muito peixe fresco da nossa costa deixa qualquer visitante com maravilhado e saciado, nos muitos restaurantes que temos a sua disposição.
A Nazaré é também um sitio seguro para férias e para habitação, são muito poucos os incidentes ou furtos que ocorrem nesta bonita vila plantada à beira Mar, além disso situa-se no centro oeste de Portugal, ficando portanto perto de tudo o resto, 1 hora de carro da capital Lisboa e do aeroporto, 2 horas até ao Porto.
Estas são algumas das razões porque deve viver na Nazaré, seria exaustivo nomeá-las todas, mas mais do que as palavras, a experiência falará por si, venha visitar-nos, deixe a brisa do mar tocar-lhe no rosto, sinta nos pés descalços a maciez das nossas areias, deixe o cheiro do peixe fresco na brasa aguçar-lhe o apetite, deixe-se encantar com a simpatia da nossa gente, sente-se numa das nossas muitas explanadas e aprecie um bom copo de vinho ou um bom café expresso enquanto toma banhos de sol.
Venha daí!!!
Venha viver o seu sonho!!!

Venha conhecer a NAZARÉ!!!

quarta-feira, 8 de junho de 2016

Hortas Verticais ou Interiores


Hoje vamos falar sobre como ter hortas interiores ou ainda hortas verticais  dentro de casa e fazer delas parte da decoração usando vasos decorativos em lugares estratégicos.
Quem não gosta de um tempero ou de uma verdura fresquinha sem agro tóxicos ?
Mas se não tem o dom para cuidar do jardim e muito menos de uma horta, aqui vai uma sugestão prática: faça uma mini horta dentro de sua própria casa num vaso e facilite essa tarefa aproveitando para ter algumas coisas fresquinhas nas suas refeições.
A horta pode ficar linda na sua casa e auxiliar na decoração pois traz vida para dentro de casa e o verde de plantas combinam com qualquer coisa!
Você pode plantar condimentos e ervas, como salsa, cebolinha, tomilho, hortelã, pimentas, coentro, alecrim, manjericão entre outros e também pode plantar alguns legumes ou verduras, como cenoura, beterraba e alface por exemplo. Coloque as mini-hortas em locais estratégicos da cozinha e transforme-a em um ambiente sustentável e tenha sempre em mãos ervas e temperos fresquinho

terça-feira, 7 de junho de 2016

Decoração ecológica

Decoração ecológica
Já pensou poder contribuir ainda mais para a conservação do meio ambiente na sua casa? Além de tudo o que já sabemos que pode ser feito em casa para ter uma atitude mais “verde” com o mundo, como separar o lixo e gastar apenas o necessário de água e electricidade, outra alternativa é apostar numa decoração ecologicamente correta.
A decoração ecológica depende apenas da sua criatividade para ficar bonita. Comece pelo exterior da casa, capriche no seu jardim e se não tiver um espaço verde em casa, ornamente ambientes como sala, cozinha e casas de banho com vasos de flores decorados com materiais reutilizados.
Pode aproveitar pneus velhos e pintá-los de diferentes cores para usar como vasos, dando um toque irreverente ao seu quintal. Ao escolher as plantas, procure sempre saber de onde vêm e se são orgânicas para valorizar atitudes corretas em relação ao ambiente.
Os objetos de decoração ecológica podem ser feitos com materiais que não estão sendo utilizados em sua casa. Recorte caixas de papelão em pequenas formas geométricas e inove criando painéis para exibir fotos em alguma parede vazia. Faça seu próprio papel de parede com retalhos de diferentes materiais como tecidos e papéis mais espessos, coloridos, estampados. Enfim, como sua criatividade e bom gosto mandar.
Decore caixas velhas de madeira com pintura, desenhos. Reúna a família e criem novos objectos a partir de outros que foram deixados de lado. Caixas sempre acabam por se acumular nas casas e mesmo as de papelão podem ser usadas na decoração. Até rolos vazios de papel higiénico, quando dobrados adquirem o formato de uma folha de árvore e podem ser combinados para deixar as paredes da casa mais bonitas.
Garrafas de vidro sem vasilhame também podem ser usadas para decorar ou delimitar pequenos espaços. Preencha-as com líquidos coloridos ou outros materiais como tampinhas e pequenos objectos, aproveitando assim outros materiais que iriam para o lixo. Reaproveite velhos bules e panelas transformando-os em vasos para plantas ou como porta-utensílios de cozinha.


É essencial que para decorar ecologicamente a sua casa, você procure conhecer a origem de objectos novos que adquire e comprar apenas os que não prejudicam o meio ambiente. Além disso, antes de comprar qualquer objecto decorativo, analise se é realmente necessário comprar um novo ou se pode conseguir fazer aquela decoração a partir de objectos que você já possui. Aproveite tudo que você tem em casa para decorar e contribua com a diminuição do impacto ambiental.

segunda-feira, 6 de junho de 2016

Criar uma decoração de sala de estar pequena



Criar uma decoração de sala de estar pequena, de modo a que pareça mais ampla, confortável e bonita, não é difícil, ao contrário do que a maioria das pessoas pensam, é possível solucionar o problema de pouca metragem usando apenas truques e segredos de decoração e arquitetura, que alem de gerar amplitude, também fera conforto e beleza à divisão.
Por causa da falta de espaço, decorar uma sala de estar pequena requer alguns cuidados que podem fazer toda diferença se o objetivo é obter um ambiente mais espaçoso, bonito e confortável.
A sala de estar, em especial, é uma das divisões mais usadas de uma casa, é também é o local onde podemos chamar de “cenário de boas vindas” de toda casa.
Por isso, decorar com consciência e planeamento, principalmente ambientes pequenos, pode ajudar e muito a conseguir um espaço mais agradável tanto para você e sua família, quanto para suas visitas.
Em ambientes pequenos, aquele velho ditado: “Menos é mais.” faz todo o sentido.
Quanto menor o numero de coisas na sala, mais leve ficará o ambiente, e consequentemente parecerá ser maior. E esse é um princípio que muitas pessoas ignoram.
Seja simples. Se a sua sala de estar é pequena, procure usar ali, somente o que é realmente necessário para o bem-estar seu, de sua família e dos seus amigos.
Claro que cada caso, é um caso, mas aqui estão alguns bons exemplos do que você pode usar na sua sala de estar, respeitando o espaço dela:
Elimine da sua sala de estar todas aquelas coisas que ninguém usa, ou que não serve pra nada.
Algumas coisas só ocupam espaço do ambiente ou de um móvel, e o deixa com cara de desarrumado e apertado.
Elimine as coisas inúteis, assim você deixará o ambiente mais organizado, e também ficará mais fácil e rápido na hora de limpar.
Procure escolher um estilo decoração mais simples, por exemplo:
  • Contemporâneo
  • Minimalista
  • Estilo oriental
  • Moderno
Esses estilos possuem a simplicidade e as linhas retas como características em comum, e esses pontos valorizam e muito ambientes pequenos, pois geram a sensação de mais espaço por ser um estilo de decoração visualmente mais limpo e clean.

Escolha apenas um estilo de decoração para a sua sala de estar, assim ela não ficará sobrecarregada com muita informação.

sexta-feira, 3 de junho de 2016

Cuidados a ter em conta antes de escolher uma casa nova

Casa nova, vida nova. Depois de muita procura e visitas a vários imóveis, você e a sua família acabaram de se mudar para a nova residência, seja alugada ou própria. O caminho é longo até chegar a esse ponto. É preciso pesquisar, escolher, reformar e, sem dúvida, fazer uma limpeza energética para tirar as energias antigas e colocar as novas.

Cada vez mais as pessoas estão se preocupando em escolher um local com "boas energias".
O ideal, claro, é sempre contratar um profissional, mas veja algumas dicas para "energizar" sua nova casa.
Visite o imóvel várias vezes: antes de fechar o negócio, visite o imóvel em vários períodos e dias da semana. Vá de dia, vá à noite, no domingo e de madrugada. Acontece pessoas comprarem uma casa num  local tranquilo durante o dia, só que durante o fim de semana ou à noite perceberam que a vizinhança gostava de festas ou que viviam perto de um clube nocturno, tornando impossível ter uma boa noite de sono.
Sinta o imóvel: entre no imóvel e procure prestar atenção ao que sente. Em geral, a primeira sensação é a verdadeira.
Fale com os vizinhos: vá tomar um café na padaria da esquina e bata à porta dos vizinhos para perguntar como é a vizinhança e há quanto tempo eles moram lá. Procure saber que problemas a rua e o bairro apresentam.
Conheça o histórico do imóvel: este item é muito importante, principalmente se for um imóvel que já foi habitado anteriormente. Procure saber quem morou, por quanto tempo, como era o dia a dia das pessoas e por que motivo mudaram. Converse com o proprietário, com os vizinhos e com o zelador. Tente saber se os antigos moradores foram felizes no imóvel, se houve crescimento financeiro e se o casal se dava bem ou se houve separação.
Conheça a "índole do imóvel": é isso mesmo, índole do imóvel. Em outras palavras, descubra qual é a fama do imóvel. É boa? É azarada? Se for muito negativa, procure saber o porquê.
Energia electromagnéticaitem perigosíssimo. A modernidade apresenta surpresas desagradáveis. Por isso, tenha muito cuidado com os seguintes "vizinhos": antenas de transmissão, antenas de telemóveis e torres de alta-tensão. Se o imóvel ficar perto de um destes "vizinhos" (até 300 metros de distância), os moradores podem estar a receber energia eletromagnética, o que é bem negativo. Em um caso deste, só a presença de um profissional de Feng shui para estudar o caso e dar soluções.
Local onde foi construído: outro item muito importante. Você sabe em que local o imóvel foi construído? Que tipo de imóvel era antes? É um item muito difícil de trabalhar, pois nem sempre temos o histórico dos últimos 50 ou 100 anos do terreno. Este ponto é importante, pois tudo o que ocorre num imóvel ou terreno deixa sua impressão digital energética.
Sol: as principais divisões do imóvel e janelas devem receber sol em algum momento do dia. O imóvel deve ter face norte, oeste ou leste, que é um sinal de que sempre irá bater o sol.

Feng shui do imóvel : este item requer conhecimento básico de Feng shui e aplicação de Ba-Gua no futuro imóvel, para verificar sectores faltantes do Ba-Gua, local onde as casas de banho estão localizadas, como estão localizados os quartos e alinhamentos.

quinta-feira, 2 de junho de 2016

Roxos na decoração


Continuando com as cores, beringela, roxo, lilás ou violetas são ótimas, o segredo é se sentir bem, por se tratar de cores que precisam de combinações certas... seja o neutro ou até nas estampas, o que vale é harmonizar!
Cores são elementos chave na decoração de interiores, deve se apostar em móveis antigos ou velhos, repaginando-os com cores autênticas e fortes. Às vezes elas roubam a cena no ambiente e isso é muito divertido no final das contas !
As cores em tons violeta estão em todos os ambientes. Fazem parte na maioria dos projetos de decoradores e arquitetos.

A família dos tons de violetas tem cores fortes e vibrantes. Ao usar estas cores, cria-se um ambiente cheio de energia, intenso e muito sofisticado. Para conseguir este efeito, escolha o violeta que mais se identifica consigo. Para melhorar o resultado, combine esta cor com tons neutros ou use tons mais claros ou mais escuros da mesma cor.

Significado da cor: Violeta - Criatividade. Desperta o intelecto e também o misticismo. Em tons mais claros, também simboliza a calma.

No espectro cromático, o azul e o violeta são cores vizinhas, e os efeitos que surtem também ficam próximos; ambas convidam à meditação, trazem calma e equilíbrio. Esta cor tem efeito purificador, transformando influências energéticas negativas em positivas.

quarta-feira, 1 de junho de 2016

Os azuis na decoração




Harmonia do Azul
Uma das cores preferidas, o azul leva-nos a grandes espaços, como o mar e o céu. Por isso decorar com diferentes tonalidades de azul dá-nos uma sensação de espaço e ar livre a qualquer casa. Todos os azuis dos mais escuros aos mais claros são ideais para criar uma envolvência fresca (é uma cor fria) e dinâmica.
Dá frescura à casa de banho, serenidade aos quartos de dormir, descontração à sala de estar, e sofisticação à sala de jantar.
O azul é uma cor serena e suave, que tem um toque mais vibrante nos tons turquesa e azuis marinhos.
Os azuis combinam harmoniosamente entre si e com a maioria das outras cores, especialmente o branco e com qualquer padrão, florido, marinho, de riscas, de cornucópias ou quadriculado.
 Azul claro
São suaves e fáceis de usar em qualquer estilo decorativo e de fácil aceitação. Estes tons conseguem-se juntando branco aos azuis, quanto mais branco mais suave fica o azul. As cores claras são ótimas para quando não se tem salas muito grandes dando assim a sensação de serem mais espaçosas e dá um ambiente mais relaxante. Como tonalidade base, nos pavimentos e nas paredes faz com que o espaço pareça maior, dá um toque de frieza a um esquema de tons quentes. Combinam perfeitamente com o branco e com outras tonalidades pastel, os rosas açucarados, os amarelos claros e os verdes pistácio. Para dar um toque mais calmo à sala de estar ensolarada pode-se misturar azul claro e amarelo limão com elementos lisos em madeira, dando uma sensação de repouso. Se a sala tem móveis rústicos, pode-se escolher tecidos com azuis pálidos, o resto da sala pode completar com padrões de tonalidades mais fortes de azul ou cores pastel lisas nos complementos e no chão.
A delicadeza dos azuis acinzentados, pastel, torna-os ideais para um ambiente calmo e discreto como é o exemplo de uma salinha de estar.
Azul médio:
Entre a força do azul-escuro e a delicadeza do azul claro, os azuis de gama média são geralmente os mais usados em decoração, suficientemente fortes para dar cor a uma sala e bastante suaves para não serem incómodos no dia-a-dia.
Se juntarmos vários tons de azul juntos, alguns tornam-se mais quentes, devido às tonalidades ligeiramente violáceas ou esverdeadas conterem, na sua composição, vermelho (no caso das violáceas) e amarelo (nas esverdeadas) que são cores quentes. Enquanto os azuis mais intensos de gama média são mais frios, podendo transformar uma sala ensolarada num espaço mais relaxante. Nos climas frios e chuvosos esses tons mais intensos de azul devem ser geridos com mais atenção devido à fraca luz solar. Devendo serem utilizados em espaços com muita luz e ensolarados. Ao juntar-lhes mais cores; alaranjados, rosas e amarelos vai atenuar a sua rigidez. Quando juntamos estes azuis médios com o branco brilhante, na combinação de tecidos decorativos e nas paredes dá-nos um ambiente tradicional. 
Azul-escuro:
Enquanto os azuis médios são mais vivos e os claros mais suaves e refinados, as tonalidades intensas tornam-se vibrantes, fortes e de grande impacto. São mais brilhantes, estes azuis de céu de verão eleva grandes superfícies de parede de um corredor ou vestíbulo.
O papel de parede ou a pintura a azul-escuro pode adequar-se à decoração de uma sala grande como local de reunião dando-lhe notoriedade. Realçar as molduras dos quadros ou acessórios dos cortinados com um toque de dourado dá-lhes elegância. Se quer um conjunto mais informal, pinte as paredes de azul-escuro e combine-as com tapetes com tons de castanho e cores de terracota no chão encerado. Uma forma de utilizar azuis-escuros apesar de mais discreta, é fazendo realçar com alguns motivos de cor contrastante nas almofadas ou no sofá. A utilização deste azul nas portas, caixilhos das janelas ou nas molduras produz um efeito marcante, como, uma porta azul-escura sobre paredes brancas.
 Turquesa:
Entre o azul e o verde, os tons turquesa têm as mais fascinantes tonalidades de azul. São difíceis de definir, pois dão a sensação de se modificarem de acordo com o ambiente que as rodeia. O que pode parecer um verdadeiro azul pode com facilidade adquirir matizes esverdeados, dependendo de se encontrar junto a um fundo verde-esmeralda ou azul.
Com tons mais brilhantes que os outros azuis o turquesa pode ser deslumbrante e atrativo e a sua tonalidade mais escura; o azul-marinho que pode provocar um efeito mais pesado. Podem ser utilizados para dar um efeito mais audaz sobre um fundo neutro ou de cores mais suaves. A sua vivacidade brilhante juntamente com o branco forma uma combinação perfeita, fria e limpa para uma cozinha. Ao incluir numa sala estes azuis esverdeados, devemos ter em conta a forma como são afetados pelos diferentes tipos de iluminação. A luz natural faz com que um azul subtilmente esverdeado pareça mais azul, enquanto a luz elétrica acentua mais o verde. Todos estes tons dão-nos uma notável sensação de descanso, se vive numa zona muito quente, o azul água, o mais claro dos tons turquesa, dará uma sensação de frescura a uma sala, e pelo contrário se vive num clima frio, não irá intensificar o frio natural. O azul esverdeado nas paredes dá um fundo ótimo para qualquer material natural, como a madeira ou a alcatifa de fibra vegetal. Qualquer variação aquosa dos azuis marinhos adapta-se perfeitamente nos quartos de banho. Para se conseguir um efeito de mar podem pintar-se as paredes de branco, com uma camada por cima de tinta turquesa bastante diluída em água. Uns toques de amarelo darão às cores turquesas o grau necessário de calor. Essas combinações cromáticas são utilizadas com frequência nos papéis de parede, nos tapetes e nos tecidos.